30/10/2015

semear desvento

o sono dos justos
entra pela janela aberta
voando do mar sem água

esta brisa não vem
pela certeza da colheita
pela esperteza das palavras
nem por vitórias conquistadas

o sopro que balança leve as cortinas
e leva os olhos pra dentro
vem do que se semeia pra fora de si

apenas para quem olha além
o barco do tempo sorri
alisa os olhos fechados reféns
e se aconchega no peito
macio
como uma pluma
como uma estrela
como uma rosa

Nenhum comentário:

Postar um comentário