31/01/2013

26/01/2013

Belo Monte - Avatar

o destruidor progresso
aumenta o deus consumo
que precisa de mais progresso
que precisa de mais consumo...

o sol e a lua se olham calados

sumamos com o que atrapalha
bebendo sumo de uva
na caixa irreciclável
sem pensar nos tratores
nos exércitos
nos netos de todas as raças que morrerão de fome
(caso venham a existir)

sem pensar
sem pensar o máximo possível
sem pensar em Darcy Ribeiro
sem pensar

sem pensar

sério

se não fosse a poesia
seria
serial-killer

24/01/2013

antes que se complete

pesa-se um homem por seus títulos, cargos, salários?
pesa-se um homem por seus atos, metas, medos, sorrisos, planos, desestatura?

desestabiliza-me.

visto o canto da sombra,
apresso-me
em olhar a mim mesmo
melhor

ponto e vírgula

pássaros pousam
na guarita
pronta pra guerra

poucos vêem

21/01/2013

caracol

estudar algo chato
para passar pra um trabalho chato
e
estudar algo chato
para passar pra um trabalho chato
e
estudar algo chato
para passar pra um trabalho chato
e
estudar algo chato
para passar pra um trabalho chato
e

auto

como se faz um poema?

uma onda ruge ao longe
crianças brincando na areia
a vista linda...

o poema se faz

19/01/2013

quando do rompante

a semente que sofre
torna-se espinho adiante

suo o espinho
na ponta da mão
para escrever
na areia do tempo
o nome do santo que não sou

traço teimosa e instintivamente
flores aos que semeiam
e espinhos aos que espetam

17/01/2013

bem imóvel

troveja fora
da minha tontura

faz sol com luz

lá fora

(lá fora)

acalanto o sacrifício de desistir vida afora
embalo-o
acalmo-o

clamo revolução
sentado no escritório
imóvel

prova acadêmica

estudamos pela xerox
para repetir por extenso
o que outro redisse em aula

15/01/2013

sério

quero
cada
hora
uma
coisa

calo
quero

quero
calo

quero
quero

calo
calo

mudo
surto
paro

parto
volto
calo

04/01/2013

encaixe

nossos prédios
nossas casas
retangulares
com janelas retangulares
e grades

nossas igrejas quadrangulares
erigidas sobre bíblias retangulares

nossos amores redondos

01/01/2013

como o vô fazia

sair pra se molhar
                            na primeira chuva
não atrás de sorte
                            mas pra se lembrar
da felicidade