27/07/2018

total eclipse

o olho se mostra
vermelho e redondo
num céu que se apaga

não há vagas
nas bordas da praia

celulares seguram humanos no vento
na direção do olho amarelo
que se abre lento

11/07/2018

palavras no silêncio

a estátua está bem
a estátua está calma
a estátua está relaxada
a estátua me olha de olhos fechados
a estátua não compara
a estátua está totalmente despreocupada
a estátua não deseja nem não desejar
a estátua repousa sobre um indizível maior
a estátua quase sorri

o espaço cintila pirilampos inexplicáveis
pequenos pontos de luz quase instantâneos

a estátua sabe
eu tento saber menos
mas insisto em racionalizar:
eu e você somos o mesmo - a estátua

08/07/2018

belo belo

a soma dos silêncios das mulheres que amei
me fazem escrever essas linhas

a soma dos silêncios das mulheres que amei
tendem a zero
tendem ao infinito

a soma dos silêncios das mulheres que amei
deixam o vício da memória
relaxar inícios

videogame da vida

nascemos e morremos como filhos
nascemos e morremos como pais
nascemos e morremos como nomes
nascemos e morremos sem perceber
o que se mantém forte
além de vida e morte

janelas de trens imaginários

as mãos ligadas ao teclado:
sequência de letras
dizendo o que a boca não fala
por olhos que só veem
telas