21/06/2020

sol pela janela

sonho com meus inícios
que nunca findam

tenho 44 anos:
já deveria ter me acostumado
a curtir o caminho

o horizonte me pesa
distante

sigo destoante da massa
tentando fazer canção
com a limonada
e ouvindo música clássica

19/06/2020

11/06/2020

infinitas estrelas e heráclito

abraçar o bem e o mal
o futuro e o passado

ser
maior e mais livre
do que o dever

espaço vivo de alegria
onde toda criança
cria

09/06/2020

no mesmo quarto

as palavras me voam

adio silêncios
com as mãos na água
em chamas

a alma antiga quer dar conselhos de viagem

talvez seja isso
e apenas isso

1865 (lei e ordem)

tem mais presos negros hoje nos estados unidos
trabalhando como escravos
do que o total histórico de escravos do século dezenove

brancos donos das empresas operadoras de presídios controlam
os políticos brancos que mudam as leis para que
juízes brancos prendam mais negros por mais tempo para que
todos os brancos envolvidos tenham mais segurança e dinheiro para que
o próximo presidente branco possa seguir prometendo lei e ordem para a maioria branca

02/06/2020

leões de horizonte sob um sol amar-elo

o mar ao longe adivinho no ouvir
amar ela branca sozinho

cabelos longos de um futuro inventado
trancado em casa parado

olhando o caminho

27/05/2020

sonho ouvindo looping sem mobilidade social

do nova américa shopping pra maria da graça
(a casa da minha infância)
passando por benfica
brigando com o motorista do uber que voava
senti a dificuldade em aceitar que era uma escolha
do menino de rua vendendo bala
em meio a cães mortos esgoto e pobreza insolúvel

uma escolha insolúvel e insolucionável
enquanto o mundo se distopiza
e a foice da indesejada das gentes se aproxima

escolha de estar ali
vida após vida
em maioria

(entre cães mortos
esgoto
e pobreza)

extintas

acabou a luz
as telas ficaram negras
e as janelas se encheram de estrelas

24/05/2020

sento perante o tempo

sento perante o tempo

ninguém entenderá a pantera

somente ela

sento perante o novo
e nada há de mais antigo
ultrapasso meu umbigo
gastando o tempo pro outro

desisto de apagar os poemas repetidos
repetitivos
antigos

estão lá e aqui
alma desnuda
na nítida impressão
de que absolutamente nada muda

23/05/2020

além do poema

não se escolhe ser poeta

não há curso possível para ser poeta

não há objetivo em ser poeta
além do poema

21/05/2020

quadrinha tiririca

bolsonaro e cloroquina
cloroquina de jesus
não sei se a terra é plana
mas a gente reduz

bolsonaro e cloroquina
cloroquina de jesus
se salvou da facada
a fake news reluz

bolsonaro e cloroquina
cloroquina habitual
meu filho é inocente
polícia federal

bolsonaro e cloroquina
no churrasco ou jet ski
não precisa de arminha
para matar a ti

bolsonaro e cloroquina
desmatando a amazônia
aprova a ditadura
e veta a maconha

bolsonaro e cloroquina
aprovando o agrotóxico
não sei se agora rima
mas queria ver a reunião com o moro

pandemia

os pobres morrendo na porta dos hospitais lotados
os ricos rebeldes saindo pra andar de patinete sem máscara
(preocupados com o que o lula falou)

19/05/2020

meus descaminhos

meus descaminhos tortos
incompletos

meus descaminhos
que vão e voltam
(breves)

meus descaminhos que me prendem
que não me encaixam

tudo bem:
a poesia me segue
e me acha

15/05/2020

poemas de amores lidos

é dever informar - caiu outro ministro
os lulistas temem - os conservadores tremem
e insisto em não insistir:
todos concordam silenciosamente
(temos um imbecil no poder)

o imbecil nos une e irmana
e as meninas e os meninos
e os velhinhos e velhinhas
em eterna minoria
declamam

poemas de amores idos

o vento na islândia (inspire, expire)

as crianças correm nos apartamentos

ainda há crianças brincando

o céu da islândia brando
branco e frio

os bancos na islândia visando lucro

as mães na islândia se beijando
antes do vírus

o vento na islândia
branco e frio

05/05/2020

solitude

a palavra tão pura
que não pode ferir a pétala
porém o pólen
suave presa

a flor do pequeno príncipe
mora nele

o sagrado é um jardim

uma casa
leve sopra
só pra mim

02/05/2020

um novo tempo

ninguém sabe mais se é sábado ou segunda
a globo mostra as tumbas
a record as vacinas

engordamos
pegando sol na janela
e olhando telas

30/04/2020

higienópolis

na casa da minha avó
tinha uma caneca vermelha
que era minha

ela trazia mate bem doce
o dia todo
gelado

de vez em quando sentava num lado do corredor
eu de outro
e a gente rolava lata de leite condensado

às vezes eu sentava no quintal
para ouvir um rádio antigo
e conversar com as plantas

meu avô jogava futebol comigo
mesmo sendo uma ladeira íngreme
sem cobrar perfeições

ia na esquina comprar sorvete
conversando com todo mundo

depois o mundo
virou esta briga
torta

minha avó com quase cem anos
passando por pandemia

e o presidente
(aquela mula)
nem fantasia
que se importa

29/04/2020

quarentena

o sol sobre a sombra da vida
abro a janela
a persiana

pássaros

o azul imenso lá fora
me azula

25/04/2020

ex-juiz ex-ministro delata ex-honesto

no sonho
minha língua ficava amarelada
e ia soltando-se em fios
de tanta raiva política não dita
não escrita

o fascista anti-corrupção é ladrão?
que surpresa...

e a população sendo enterrada
em caixão fechado
pra não contaminar ainda mais
a nação

19/04/2020

sonho do sonho

o mar negro já toca a base
do shopping de vidro

janelas duras

pessoas consomem em todos os andares

o mar vence em ondas

primeiro andar: águas negras e pessoas nadando
segundo andar: roupas e acessórios
terceiro andar: praça de alimentação

18/04/2020

amanhã

eu já ouço
as pessoas cantando sol
quando tudo passar

uma só voz
o mesmo céu
novo
como a manhã

14/04/2020

13/04/2020

a torre

no alto do prédio do sonho
acima dos shows
dos jogos
dos amigos e inimigos
o que achei foram apenas mais portas

abri todas

o vento forte
só revelava
a altura da morte

12/04/2020

páscoa 2020 - frutos do laboratório P4 de wuhan

andrea bocelli cantando num mundo vazio
cidades vazias
catedrais vazias

um canto que preenche de encanto
ao vivo
quem segue vivo trancado em casa
graças aos progressos da ciência
nas mãos do vírus sintético da dra. zhengli shi

eu cego
e vivo
mastigo a tenra carne de animais torturados
movido pela beleza e ternura

(depois como chocolate)

11/04/2020

simbologia do número 4, o pendurado

na páscoa do vírus
acordo cruzando as pernas
para não esquecer do sonho: o número 4

eu pendurado:
não lutar

aprender com a estagnação

nenhum trem parando
em nenhuma estação

nada mais estável
que a ressurreição

09/04/2020

dura

o mar continua rugindo
fora das casas e dos apartamentos

o planeta com febre
se cura

07/04/2020

trovão sem thor

quando saio da pia
e falta luz na quarentena
eu não faço nada
no escuro

(e juro sem pena
que é o melhor
do dia)

05/04/2020

domingo com vírus dormindo

uma carreata buzinando
carregando um santo
me acordou na quarentena

no céu, nenhum avião ou helicóptero
sob um mar com mais peixes
e menos plásticos

o padre de máscara
abençoava os de deus segurando palmeiras
e os ateus chateados por terem despertado

03/04/2020

letras para o silêncio

por trás do sol que nasce
a sombra do sol que morre

humanidade clara
escondida do planeta em paz

aqui
jazz

02/04/2020

realismo estelar

nos hábitos herdados
perdi
o caminho que vai dar no sol

nunca quis filho
para não repassar a ele
meu mundo criado
sobre o criado mudo

(eu ardia mais
quando queria mudar o mundo)

na palavra e no canto
o encanto do brilho
de volta

me arrasto
tentando
reencontrar
o carinho

31/03/2020

corona vírus

em tempos antigos
podíamos ir pra rua vazia
reclamar do tempo

agora enquadrados em apartamentos
olhamos por janelas quadradas
ângulos retos

sem sono

no topo do prédio
o mastro

no topo do mastro
a cabeça
me olha

eu finjo que não vi:
é noite alta

11/03/2020

o filme novo da arlequina

empoderamento feminino através da violência exagerada e gratuita
glamourização da violência exagerada e gratuita
normalização da violência exagerada e gratuita

24/02/2020

sol a sol

o texto:
antepasto entre o pasto e o pastel

o passado grama
chama
drama

correm bois em disparada

11/02/2020

Crítica - Era uma vez em Hollywood

Era uma vez em Hollywood - Uma declaração de amor ao cinema de Tarantino de quase três horas. Também vi uma crítica a séries bobas e formas de arte sem arte que acabamos consumindo nas telas do cinema em filmes ou da TV em seriados nos anos em que se passa trama. Hoje, o que mudou foi que temos mais telas: celulares. O excesso de violência característico do diretor, que também escreveu este filme, não aparece na obra. Todo o sangue aparece na hora certa e merecida e dura apenas poucos minutos que se perdem nas quase três horas de arte. Filme bem dirigido a gente nota na coragem de inovar e criar: nas tomadas lentas, no pé sujo e feio da mulher linda, nos detalhes de cada carro, no ator que esquece as falas e faz a gente não esquecer que é um filme, nas tomadas mais lentas e mais longas e na capacidade de deixar a gente criar o filme que está assistindo. Porque a gente cria tudo o que vê e não percebe. E arte que é arte não nos distrai. Não é pra passar o tempo. É um mergulho na direção contrária da distração. É um encontro consigo mesmo.

10/02/2020

Lindo discurso anti-racista e anti-fascista do vencedor do Oscar de melhor ator, Joaquim Phoenix, que interpretou o Coringa. Numa época que precisa disso, filmes que mostrem os lados das minorias e dos excluídos. Precisa de filmes como Jojo Rabbit zoando Hitler pois a humanidade tem uma capacidade cada vez menor de ver o óbvio e ser humana.

08/02/2020

forma

em que cela
ou cisma
sua poesia enterrada?

flor de sono
sem cor
(preto no branco)

você compra poesia?
você lê poesia?
(nem eu)

onde então
o poeta
no planeta?

07/02/2020

você já está morta

o dragão é uma borboleta de sonho
inverso do espelho
pulsão de morte

o dragão é o sonho de uma borboleta
invenção de menina
num filme japonês que não termina

06/02/2020

obrigatório

postergo o post
para um poema que não dança

o cão da vida cansa
mas tenho um jogo
para me distrair
criança

23/01/2020

da maior capacidade filosófica quando gripado

minhas mães doem mãos palavras
não ditas
perditas

o tempo de prazer passou em que espelho?

passo
e passo a passo
meus passos perdidos:
2 pra ir
2 pra vir

21/01/2020

família é repetição

meu avô andava com as mãos unidas nas costas
para ver melhor os defeitos das coisas

eu também uno as mãos sem perceber
mas tento reinventar meu ver
com olhos de anne with an e

17/01/2020

surpresa sem surpresa

a partir de agora começará a arte no país
esqueçam os índios
os negros
os judeus
os minoria
o portuguêis

(chico buarque avisou)

11/01/2020

10/01/2020

1981

o amor é o não dito
até para quem assusta o outro com o grito
(querendo afeto)

e insiste em bater
(visando abraço):
incapacidade de dança em cada descompasso

rasgando o rasgo
desreciclando o ciclo
plasmando o pasmo