Minha foto

Poeta nascido no Rio de Janeiro. Considerado um dos poetas brasileiros mais representativos da década de 2000 na antologia Roteiro da Poesia Brasileira (Global, 2009), é autor de vários livros publicados gratuitamente em seu blog, cujos melhores poemas foram reunidos em Corte (Ibis Libris, 2004) e rio raso (Patuá, 2014). Mantém o bem sucedido site “A Magia da Poesia”, que teve mais de um milhão de acessos em 2012, onde divulga a obra de grandes poetas. Seus poemas já foram selecionados para livros escolares, traduzidos para o russo e publicados em diversas revistas literárias.  (saiba +)

08/10/2013

sob o mesmo sol de maiakóvski

na primeira noite elas pisam seu jardim com expectativas
vem cobrar amor nas portas fechadas
e você deixa: por pena, por medo, por culpa
sem dizer nada

na segunda noite, quando você abre a tranca do plexo
i-m-e-d-i-a-t-a-m-e-n-t-e
te largam mais sozinho que antes
sem jardim, sem casa, sem amor e sem nexo

então, a mais frágil delas
sorrateiramente, silenciosamente
tenta calar seus poemas

mas ainda posso dizer algo, camarada:
esta luz, a Minha Voz
não pode ser roubada

6 comentários:

  1. Genial, como sempre! E olha que eu sempre peco pelo olhar parcial para as angústias femininas haha Gosto da sincronia dos negritos e hifens

    ResponderExcluir
  2. Todo mundo essa noite sonhou com a porta do sexo se abrindo e deixando passar fio de luz ou riso. "O ratão transformara-se num príncipe encantado de pau duro.
    A bocetinha falante de Cinderela babava pelos bigodes" (Roberto Schwarz, aquele mesmo, teórico.. hehe)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade. Acho que é "bucetinha", rapaz. Deve-se falar com biquinho e utilizar a língua corretamente. Apesar de ser "foder", com "o". Eu leio Bukowski pacas. :)

      Excluir
  3. Uma bela surpresa conhecer o seu blog e a sua poesia, Fábio. Gostei muito dos cinco poemas que li. Volto outra hora, com mais tempo, pra fazer comentários mais específicos.

    Abraço

    ResponderExcluir