24/08/2018

em vez de abrir a janela

meu avô tomava banho de chuva no nordeste. não era um tempo muito longe. a gente teme. tem capa de chuva. guarda chuva. o excesso é temerário. o presidente não eleito é temer. e olha no celular a previsão do tempo em vez de abrir a janela.

vermelho

morango no açaí
e a minha mente por aí
flutuando no crepúsculo

17/08/2018

houve um tempo

ouvimos lendas
de seres antigos
capazes de prasempre

eram alvos e puros
tenros
possíveis

até conseguiam
viver
no presente

16/08/2018

cartas na rua

esperando o programa de cantores na tv, ouvir o preço da alcatra me acalma. a novela nunca acaba na hora que deveria acabar. a novela deveria nem começar... o personagem escritor que criou meu livro mais maluco não quer parar de contar suas histórias. ah, auges áureos instantâneos seguidos de silêncios mais solitários... o devir rói as unhas dos meus pés idosos. foco na familiaridade da voz dizendo o preço da alcatra e fecho a janela, porque tá frio.

mary shelley aos 16

as horas de céu que vivi nesta vida
não valeram as décadas no inferno

agora cultivo a desistência
semeando celulares no silêncio

e deixando o planeta girar
por si mesmo

14/08/2018

dança

estrelas da consciência nebulosas
espaço maior que tempo espaço
passo
e passo a passo seremos o caminho

11/08/2018

repetição

"não tenta remar"
repito a mim mesmo
constantemente

mas fomos treinados
habituados
cobrados
estimulados
a remar

(parados)

07/08/2018

06/08/2018

não vai

castelos são poemas sem olhos
buscamos fora até biologicamente

o quase não vai passar de quase
você mude de cidade ou de fase

o quase
não vai passar

04/08/2018

03/08/2018

da nossa falta de delicadeza e ternura

explodir
exagerar
ferir
pela milésima vez

querer poder chorar
ou expulsar no canto
o calor no peito

não basta:
escrevo

somos seres sensíveis
em nosso autocentramento
cegos pra sensibilidade alheia

como pode ser tão difícil
oferecer a outra face
pro doloroso murro?

qual a dificuldade
de ver a fragilidade
de quem dá murros?

entender seu lado
sua história
suas dores
seus enganos

porque responder sempre
vez após vez
voz após voz
letra após letra
com o automático peso
e o muro?

sorvo este cansaço

observo

me canso desse cansaço
para ir por outro caminho

de que vale a palavra final
no túmulo?

quantas separações levarei
quantos cortes bruscos e dores
do que não pode ser separado?