Minha foto

Poeta nascido no Rio de Janeiro em 1976. Considerado um dos poetas brasileiros mais representativos da década de 2000 na antologia Roteiro da Poesia Brasileira (Global, 2009), é autor de vários livros publicados gratuitamente em seu blog, cujos melhores poemas foram reunidos em Corte (Ibis Libris, 2004) e rio raso (Patuá, 2014). Mantém o bem sucedido site “A Magia da Poesia”, que teve mais de um milhão de acessos em 2012, onde divulga a obra de grandes poetas. Seus poemas já foram selecionados para livros escolares, traduzidos para o russo e publicados em diversas revistas literárias.  (saiba +)

22/07/2017

identidade secreta e líquida

bauman
TU é o
batman

a verdade vos libertará

quase todo imbecil
tem o nome de deus
na boca

constante feito chiclete
mascando e julgando
cospe certezas

poetrix que nasceu pronto enquanto eu lia um gibi noir num sonho

quando eles perderem
o amor
problematizarão a existência

21/07/2017

dourado (eleva_dores)

abro a janela pro sol
crepusculargo crescente
em si
bemol

a foice sobre o prédio de afoitos
uns sobre os oitros
duas vezes oito andares
ansiosos andares
de tigres em jaulas

presos em suas liberdades

17/07/2017

the humbling

repetimos
desde antes de shakespeare
as mesmas tentativas fadadas ao fracasso:

vitória
fama
elogio
prazer

(que passam)

do aço das espadas
ao aço dos aviões
a semelhança é o final do lápis
quando o tempo alisa o último ar:
a lápide

tríplice

o amor como reconhecimento
não como esforço
ou elemento

notar sedento e frio
a perenidade do rio

o trajeto do amor por ela não como salvação
ou chegada
mas como complemento
do amor sem objeto
(jornada)

15/07/2017

fotografia

sol crepuscular
refletindo no espelho
e iluminando o altar

Imagem: foto de Fabio Rocha

tempo aión (sem ponteiros)

estar em paz
no tempo do centro do planeta
tempo de cura e aceitação
além da lenda de relógios

13/07/2017

soltar, desistir, abandonar, relaxar (o amor na aorta)

enquanto procuramos a chave
não abrimos a porta
destrancada

11/07/2017

oi sumidx

Uma coisa legal dos tempos de degenerescência é que te obriga a curtir o momento presente graças a quase total impossibilidade de planejar ou combinar algo futuro.