24/11/2020

já deve ser natal na líder magazine

minha família
é um ninho de fome
todo espinho

juntos muitas vezes se atacam
arrancam pedaços
pedindo carinho

em bandos
(crentes)
maldizem os ausentes

dormir direito ninguém dorme
nem nota acima
um céu enorme

doa a quem doa:
absolutamente ninguém 
voa 

17/11/2020

anemofilia

canto porque o canto me canta
quem canta seus mares espanta
semeando vendo na tempestade

atenção menina do lado de fora de um abraço

outra flor pulou
do condomínio aqui do lado

antes ainda da lição
vida em botão
voo ao chão

sem elevador
nem eleição:
a dor a levou

cedo elevou sem fome
do chão da avenida sem nome

12/11/2020

por que demorei tanto a ver isso?

nem bukowski sonharia com as maravilhas da modernidade líquida

escorro os dedos pelo teclado

o celular acabando a bateria
a parede rachada
o ar condicionado quebrado

escorro os dedos pelo teclado
e nunca foi tudo tão bom e fácil e perfeito

07/11/2020

bonson

yasmin tão linda
quer ser bailarina

desenha 
a dança do sonho
de menina

cor e corpo
asa e rima

02/11/2020

seu eu pelo menos conseguisse ter saco para ler as normas de concursos literários...

(Por Lilith)

sento nu em frente ao teclado tenso
pianista de fraque saboreando o último silêncio

para nietzsche deus está morto
para deus nietzsche está vivo

dezessete graus no rio de janeiro
acordo só

nada para fazer o dia inteiro
ninguém para ver o dia inteiro

vou caminhar na nesga de sol entre nuvens
SEM MÁSCARA
antes de pensar na preguiça de caminhar ao acordar

o pé dói no sapato
a coxa reclama
a poesia vem

a língua insiste nos incisivos
e estranha infinitas vezes a porosidade
(será a idade ou o refluxo?)

ontem meia noite sem overdose
como último recurso
mesmo com intolerância a lactose
pedi dois sólidos milk shakes do bobs no ifood
(talvez em breve haja um ifood para relacionamentos não líquidos)

porém vivo e ando
ainda

os homens num mar de dor se matam pelas raras felicidades
(duram um orgasmo ou nem tanto)

os homens-nada nadam
os homens-duros duram
com a ilusão das contas bancárias durarem mais

telhados de mansões na beira da reserva
não conseguem evitar urubus

políticos vestidos de azul chegarão mais tarde na tv sorrindo
depois ou durante o mandato serão presos
(nesse ínterim, os piores citam a bíblia)

mas ainda há flores
nos terrenos não planejados
abandonados
largados ao acaso

nietzsche duvida de deus
deus acredita em nietzsche

29/10/2020

me gusta

quiero el amor de almodovar
nada menos

las relaciones liquidas
no me gusta

vivo la color más roja
tendo ganas de infinito

se quieres un amorcito para instagram
bonitito pero un perro
no hables conmigo

28/10/2020

ainda sobre a construção

o esforço maior do poeta 
é ficar no trivial

passa uma mariposa sem simbologia:
tudo bem

ela no shopping olhando bijuterias
ela perto do aniversário e do coração
ela sorria

tudo bem

operário

céu de tarde
tarde de céu 

tarde demais
outonais em sombras
zelo em construção passada
implosão

(e implosão e implosão e implosão)

eleição onde políticos sorriem
televisão e telas

edifico a construção
lento 
como quem não teme
como quem não treme

abaixo
trovões e gatos

abaixo
imensidão

um risco tênue sobre terremotos
se ergue sem olhar o céu

horizonto meio tonto sua mão dada

27/10/2020

falando russo

mudo tanto que não digo nada

entre ser rio e ser mar
meu cansaço é pedra

não sei se o aço rima depressão
ou se é traço ainda da covid
(tusso)

agora que tenho tempo
não faço poemas
embora

a poesia é
a menina mais bonita do colégio
(a única que não quis dançar)