19/06/2017

desfazendo amor nos tempos da luz líquida e rasa

nunca vi tantas fotos sorrindo
e tantas pessoas deprimidas

tantas mensagens de paz
e tanta gente ansiosa
(num mundo em guerra)

me calo perante um labirinto de musas
um passo atrás no vazio
da noite

o escuro apressa
minha pressa
e minhas presas alvas
buscam a próxima presa

faço porque passo

minha dor procura
a próxima poesia
não como arte, compaixão ou ternura
mas como cura
como fazer

assim não paro
não paramos
e fugimos da dor maior
do sozinho absoluto
fazendo longe das fazendas

variam as distrações
mas é cada vez mais raro
Fazermos

é tempo de desencontro
onde todos querem algo
que não Fazem

ninguém mais consegue Fazer
nem por vontade nem por distração
porque temos
um celular na mão

Nenhum comentário:

Postar um comentário